Pierre Levy e as Tecnologias da Inteligência

Pierre Levy é um filósofo, sociólogo e pesquisador francês conhecido por abordar a tecnologia e seu impacto nas relações humanas. O Professor Lévy vive na França onde leciona no departamento de hipermídia da Universidade de Paris. Pierre Lévy é formado em filosofia e sociologia e é mestre em história da ciência.

O autor explica como a tecnologia mudou alguns contextos da sociedade e discorre sobre temas como: cibercultura, ciberdemocracia, árvores de conhecimento e tecnologias da inteligência.

Inovações tecnológicas foram responsáveis direta e indiretamente por grandes revoluções, mudanças de comportamento e paradigmas.

A impressora de tipos móveis de Gutemberg acelerou a produção de livros, e consequentemente a difusão do conhecimento.

Não é ficção

A ficção científica sempre fascinou o imaginário humano. Não vivemos o Admirável Mundo Novo de Aldous Huxley. Mas muitas “previsões”, algumas tecnológicas, do autor em 1931 estão presentes em nosso cotidiano: fertilização in vitro, manipulação psicológica e condicionamento por meio da mídia publicitária, legalização e abuso de drogas, estabelecimento de score social, realidade virtual, realidade aumentada, falta de privacidade, bullying.

O Black Mirror é real! Cadê o seu celular? Na sua mão? Não vive sem ele? Consulta cada notificação como uma obrigação que se descumprida será rigidamente punida? Muitos episódios da série já são realidade:

Resistência

A tecnologia como conhecemos, informatizada, é apenas uma das criações tecnológicas do ser humano. A impressão, a eletricidade, o automóvel, o motor à combustão, e muitos outros exemplos podem ser citados como invenções que não foram muito bem compreendidas ou até mesmo aceitas inicialmente. Mas foram incorporadas ao nosso cotidiano, e hoje não imaginamos um mundo sem essas coisas.

A tecnologia não deve ser combatida como algo mal que substitui o tradicional e estabelecido. Mas, como algo que complementa, agrega e reorganiza as atividades humanas.

Acomodação

Frequentemente a tecnologia substitui a si mesma, na frenética comprovação da Lei de Moore. Prova disso são os exemplos abaixo:

Cabe refletir como encaramos nossas atividades cotidianas e os novos desafios e soluções tecnológicos. Será que estamos presos à forma antiga de realizar nosso trabalho por inércia, medo do novo ou preguiça? Ou estamos acompanhando este Admirável (nem sempre) Mundo Novo?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *